A FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL E A BNCC: ENTRE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO E O TRABALHO COMO RELAÇÃO DE EXPLORAÇÃO

Raimundo Nonato Chaves de Lima Sipaúba Filho, Dr. Francisco Adelton Alves Ribeiro, Dr. Álvaro Itaúna Schalcher Pereira

Resumo

Em dezembro de 2018 foi homologada a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) a qual constitui um conjunto normativo para implementação do currículo único, em âmbito nacional, cumulado com uma parte diversificada. O projeto idealizado pela BNCC assenta seus fundamentos pedagógicos a partir da Pedagogia das Competências cuja essência se volta para a busca de uma formação do indivíduo baseada no desenvolvimento de competências e habilidades que atendam aos interesses do mercado, reforçando o trabalho como relação de exploração. Por outro lado, a perspectiva da Formação Humana Integral (FHI), lastreada na omnilateralidade, na politecnia e na formação emancipatória, mostra-se como contraponto à guinada tecnicista da BNCC, uma vez que tem como um de seus pilares o Trabalho como Princípio Educativo. Nesse sentido o presente trabalho visa a estabelecer o contraponto entre a FHI e a BNCC como forma de contribuir para construção de um currículo plural que atenda sobretudo os interesses da classe trabalhadora.

Palavras-Chave: 

Formação Humana Integral; BNCC; Currículo.

PDF_ico.png