REPRESENTAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SEXUAIS EM “LIVROS NEGROS ” DE ESCOLAS PÚBLICAS NA REGIÃO DE JALES/SP - 2018/2019

Adriano Marques Fernandes, Tânia Regina Zimmermann

Resumo

Este artigo discute narrativas de violência sexuais registradas em “livros negros” de escolas públicas da região de Jales nos anos 2018 e 2019. As representações são de alunos com idade de 11 a 15 anos, percorrendo os anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. Propomos discutir a relevância da força da não violência com possibilidades de humanização em todas as ambiências educativas, especialmente nas instituições escolares. Realizamos uma revisão bibliográfica e utilizamos a metodologia de análise de conteúdo de narrativas que expressam a violência simbólica e sexual. É preciso um olhar atento para que a escola não reproduza violências, como por exemplo, a violência simbólica que ocorre silenciada. Concluímos que a força da não violência está na possibilidade de uma formação humanizadora, e essa humanização está presente na realidade escolar, pois a escola pode ser insubmissa a discriminação de gênero.

Palavras-Chave: 

Sexualidade; Educação; Violência.

PDF_ico.png