FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM PACIENTES HIPERTENSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Mariana de Andrade dos Santos

Resumo

A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é a doença crônica não transmissível (DCNT) mais prevalente no Brasil, atingindo atualmente cerca de 32,5% da população. A adesão terapêutica é fundamental para o controle dos níveis pressóricos e vários fatores estão envolvidos neste processo. O objetivo geral deste estudo é estudar os principais fatores associados à adesão medicamentosa em hipertensos. Para tal, utilizou-se de revisão sistemática de literatura nas bases de dados Medline, LILACS, PMC e CVSP, incluindo apenas artigos originais, a partir de 2012 em português, inglês e espanhol que utilizassem do teste de Morisky Green (TMG) para avaliação de adesão terapêutica. Foram excluídos aqueles duplicados, que não utilizavam o TMG em pacientes hipertensos e não disponíveis na íntegra. Dentre os principais resultados, 33% dos artigos demonstraram que a falta de conhecimento sobre HAS e suas complicações foi associado à não adesão medicamentosa. Seguido pela faixa etária mais jovem e irregularidade de uso por esquecimento de dose. Dessa forma, reconhecendo-se estes fatores como os mais prevalentes como causa de má adesão, pode-se desenvolver estratégias dirigidas, por meio de equipe interdisciplinar, com objetivo de melhorar o controle da pressão arterial e assim reduzir complicações a curto e longo prazo desta população.

Palavras-Chave: 

Hipertensão; Adesão terapêutica; Morisky Green.

PDF_ico.png