REVISITANDO AS BRINCADEIRAS ANTIGAS

Angélica Gonçalves Do Espírito Santo De Oliveira, Cleonice Molina de Oliveira, Ivone Torres Gomes, Thais Cristina Pereira Torres, Thamires Aparecida Pereira Torres

Resumo

Atualmente percebe-se cada vez mais que o contato das crianças com jogos, brincadeiras e brinquedos tradicionais, está se perdendo; essa troca acontece em parte pelo atrativo dos brinquedos modernos cada vez mais equipados de alta tecnologia, como os vídeos games, brinquedos elétricos e eletrônicos e mais recentemente o celular. Outros fatores são a falta de tempo dos pais em ensinar essas brincadeiras para seus filhos e ainda o medo da violência que tirou as crianças das ruas, o ambiente mais propicio para essas brincadeiras. Essas brincadeiras além de conter um repertorio cultural amplo, traz benefícios para a saúde, o desenvolvimento físico - motor e intelectual. Diante de tantos benefícios, porque não trazer essas brincadeiras para a escola? Como a rua espaço natural das brincadeiras tradicionais não são mais seguras, segundo a opinião dos pais, a escola é o ambiente mais propicio para realizá-las com a vantagem que os professores terão propostas pedagógicas. Este estudo bibliográfico, visa apresentar a importância de trabalhar as brincadeiras antigas na escola. Para a fundamentação teórica foram utilizados autores como Almeida (et all, 2009), Rodrigues (2012), Andrade (2007), Silva (2010) entre outros, todos esses autores reconhecem a importância de trabalhar com as brincadeiras tradicionais, afirmando que enriqueceria o trabalho docente e beneficiaria as crianças em diversas maneiras.

Palavras-Chave: 

Brincadeiras Antigas; Infância Contemporânea; Educação Escolar.

PDF_ico.png