PERCURSOS, DESAFIOS E DAMANDAS À PRÁTICA DE ACOLHIMENTO, INCLUSÃO E PERMANÊNCIA DE INDÍGENAS NO ENSINO SUPERIOR

Umberto Euzebio

Resumo

Neste artigo, é analisada a política de inclusão e permanência de acadêmicos indígenas na Universidade de Brasília, com foco na extensão como meio de implementação de ações com esse público. O objetivo deste trabalho foi construir reflexões por meio de observações e discussões sobre os desafios e as demandas postos à universidade pela inclusão e permanência de estudantes indígenas. Como contribuição para esse propósito serão identificados os cursos, as etnias de origem assim como os cursos de estudantes não indígenas de graduação e pós-graduação envolvidos nessa prática. Foram aplicadas as metodologias quantitativa e qualitativa estabelecendo-se os papeis de cada segmento envolvido no processo. Os resultados do estudo evidenciaram que ocorreu melhoria no rendimento acadêmico e interação entre os estudantes indígenas e não indígenas a partir de práticas integradas. Há necessidade de estabelecimento de um processo democrático participativo envolvendo três entidades: estudantes, universidade e FUNAI. Os compromissos assumidos por administrações anteriores devem ser honrados por todos os segmentos respeitando-se no componente acadêmico os aspectos socioculturais e acadêmicos de aprendizagem diferenciada para se atingir uma formação consistentemente comprometida em que a extensão esteja contemplada como meio de se promover alternativas viáveis à formação continuada deste público.

Palavras-Chave: 

Ações afirmativas; Povos originários; Inclusão.

PDF_ico.png