CRÔNICA DA DESILUSÃO OU PERORAÇÃO SOBRE A DESIGUALDADE

Altemar Lima, Deys Araújo Santana

Resumo

As considerações livremente apresentadas neste texto inserem-se no espectro do humanismo especulativo-filosófico, tendo em vista referirem-se a uma doutrina alusiva à natureza e ao destino do homem, sem nenhuma pretensão de verdade. Para contribuir com as reflexões aqui referidas, buscou-se dialogar com o pensamento de Castoriadis (2004); Santos (2007); Nietzsche (2008); Sagan (2008); Freud (2009); Morace (2013), na perspectiva de refletir sobre as ideias justificadoras da desigualdade a partir da indagação da construção social do futuro como negação do presente e de suas complexidades. A par disso, pontuam-se questionamentos necessários à tentativa de compreensão das categorias “esperança” e “futuro”, enquanto componentes essenciais do cotidiano, observados à luz da justificação adotada por algumas formas de pensamento, proponentes de um suposto “paraíso” situado no futuro, como forma de negar as agruras e complexidades do presente, sobretudo, quando aludem sobre a questão da igualdade entre os homens.

Palavras-Chave: 

Esperança; Futuro; Ciência; Moral; Religião; Desigualdade.

PDF_ico.png