POVOS ORIGINÁRIOS E ACADEMIA EM DIÁLOGO INTERCULTURAL NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

Umberto Euzebio

Resumo

Este trabalho é resultado é um estudo com universitários indígenas ingressantes a partir da política de ações afirmativas em universidade pública amparados pela Constituição Federal de 1988. A realidade desses acadêmicos é bastante, complexa, pois passam a enfrentar problemas não apenas de aprendizagem, mas também adaptativos, financeiros, de moradia, discriminação, estigmatização e preconceitos em geral. Como proposta para amenizar essas questões foi criado um sistema de monitoria compartilhada com interações por meio da prática intercultural entre estudantes indígenas e não indígenas para a construção do conhecimento. O objetivo deste trabalho é estudar a dinâmica estabelecida para o diálogo intercultural entre os estudantes indígenas universitários e academia. Verificar os fatores envolvidos na concepção acadêmica para a construção do conhecimento a partir presença do estudante indígena. Como metodologia de trabalho foi utilizada a pesquisa-ação seguindo a perspectiva da escuta sensível de René Barbier (2007). Foram selecionadas três categorias de estudo: Integração Social; Estereótipos e Preconceitos e Tradições e Conhecimento. Como resultado foi verificado que a presença indígena na universidade favoreceu ampliação do diálogo intercultural no espaço acadêmico possibilitando a criação novas formas de aprender e ensinar.

Palavras-Chave: 

Ações afirmativas; Indígena; Inclusão.

PDF_ico.png