A OMISSÃO DO LIVRO DIDÁTICO COM RELAÇÃO ÀS QUESTÕES INDÍGENAS

Anna Carolina Santos

Resumo

No Brasil, historicamente, a abordagem das questões indígenas foi empregada como um recurso, quase sempre eficaz, de aniquilação da diversidade. Desde a obrigatoriedade do ensino das histórias e culturas dos povos africanos, afro-brasileiros e indígenas no Brasil, pela Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008, essa abordagem vem recebendo um tratamento especial por parte do poder público, alicerçada na proposta de um novo paradigma educacional de respeito à diversidade étnica. No entanto, ainda há muito a ser feito para que a história e a cultura indígena obtenham condições de igualdade no ensino escolar. Nessa perspectiva, este artigo discute a abordagem das questões indígenas na escola, a partir da análise dos livros didáticos do Ensino Fundamental I, tendo em vista a importância dessas abordagens na formação dos conceitos pelos alunos das séries iniciais.No Brasil, historicamente, a abordagem das questões indígenas foi empregada como um recurso, quase sempre eficaz, de aniquilação da diversidade. Desde a obrigatoriedade do ensino das histórias e culturas dos povos africanos, afro-brasileiros e indígenas no Brasil, pela Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008, essa abordagem vem recebendo um tratamento especial por parte do poder público, alicerçada na proposta de um novo paradigma educacional de respeito à diversidade étnica. No entanto, ainda há muito a ser feito para que a história e a cultura indígena obtenham condições de igualdade no ensino escolar. Nessa perspectiva, este artigo discute a abordagem das questões indígenas na escola, a partir da análise dos livros didáticos do Ensino Fundamental I, tendo em vista a importância dessas abordagens na formação dos conceitos pelos alunos das séries iniciais.

Palavras-Chave: 

Povos indígenas; Escola; Livro didático.

PDF_ico.png