FORMACÃO DOCENTE E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDICAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA VISÃO HOLÍSTICA SISTÊMICA DOS PRIVADOS DE LIBERDADE

Antônio Xisto Vilela

Jonas Bezerra da Costa

Adilson Sousa da Silva

A formação docente exige uma qualificação além do conhecimento. O professor, precisa ser qualificado continuamente, em condições de melhorar a sua prática no sentido de superar a rotina, dinamizar e desafiar as ações educativas e inclusiva da Educação de Jovens e Adultos, em Unidade Prisional com pessoas privados de liberdade, hoje vivemos em um mundo contemporâneo totalmente interligado pela novas tecnologia e internet. Entender e superar as limitações impostas pela rotina vivenciadas nas instituições semiaberto como o são os estabelecimentos penais, ultrapassa a formação recebida dos docentes. Estabelecer clima de aprendizagem para alunos privados de liberdade parece não ser tarefa fácil, porém, o docente que estiver comprometido com a proposta educativa de transformação social, considerará os eixos da Educação para Jovens, Adultos e Idosos: cultura, trabalho e tempo, possibilitará conhecimento e mobilização crítica para se atingir a libertação do ser, desenvolvendo sabedoria, senso-crítico, autonomia, contribuindo para a sua reinserção social. A prática pedagógica embasada pela teoria de Paulo Freire (1982), que propõe em sua essência construir educação para a liberdade do aluno cárcere. Esta pesquisa tem como objetivo analisar em caráter qualitativo e exploratório elementos dos aportes teóricos e pedagógicos, com o intuito de instigar a necessidade de investimento na formação e na prática pedagógica dos docentes que se encontram no espaço privados de liberdade, uma visão holística sistêmica na Escola Estadual Monsenhor Adelmar da Mota Valença no Centro de Ressocialização do Agreste (CRA) de Pernambuco.

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Baixar texto completo

PDF_ico.png

Práticas docente; Formação; Privados de liberdade.