A PSICANÁLISE EM TEMPOS DE PANDEMIA: O NOVO CORONAVÍRUS E A SAÚDE COLETIVA

Adelcio Machado Santos

Resumo

Sobreviver é a prioridade quando falamos de uma pandemia. Normas de caráter extremo acarretam mudanças nos cenários mundiais, estejam eles ligados ao setor econômico, social, cultural e ambiental e, conforme se expandem o número de doentes, aumentam os critérios de isolamento social e econômico e as situações de maior sensibilidade mental e/ou vulnerabilidade. A pandemia do novo Coronavírus gera inúmeros impactos negativos, e, no âmbito da saúde os prejuízos foram maiores e muito mais sentidos. A saúde física e mental da população foi extremamente prejudicada, a dor, a angústia, a fobia, o luto e o desamparo se fazem muito presente. Surgem inúmeros pedidos de atenções sobre os aspectos psicológicos, oriundos das incertezas que dela decorrem. Isolamento social, trabalho home office, uso de máscaras, fechamento do comércio, de escolas, em decorrência do medo que assola toda a comunidade, em especial, daqueles que trabalham de forma permanente na linha de frente no combate da enfermidade. Os serviços ligados aos setores da psicanálise foram essenciais para dar um pouco de conforto, buscando melhor forma de atender e preservar a saúde integral dos indivíduos, ocupando-se com a promoção e a prevenção em saúde mental e pública. Assim, busca-se nesse estudo, por meio da revisão de literatura, fazer um debate teórico entre diversos autores sobre conceitos de saúde pública e psicanálise, com vistas a levantar indagações e reflexões sobre os problemas enfrentados na atual sociedade brasileira. Como forma de pesquisa, foi utilizada a revisão sistemática da literatura, a partir de fontes secundárias publicadas sobre os temas.

Palavras-Chave: 

Psicanálise; Pandemia; Saúde Coletiva.

PDF_ico.png