O EMBATE IDEOLÓGICO NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA:
SERIA A ESCOLA PÚBLICA TÃO “ESQUERDIZADA” COMO BRADA PARTE DA DIREITA?

Ricardo José Reis de Abreu

Marcia Aparecida Amador Mascia

O objetivo deste trabalho é lançar luz sobre uma recorrente crítica que vêm sendo proferida por parte da direita brasileira, na qual se coloca como sendo uma das causas principais do mau desempenho da educação pública nas avaliações nacionais e internacionais, a (suposta) doutrinação marxista que predomina nas escolas (e também universidades), apontando professores e gestores como disseminadores de ideologias ligadas à esquerda dentro do espaço escolar. Visando descontruir esse discurso, traremos um cenário que envolve uma tendência educacional que vem ganhando corpo já há algum tempo, não somente no Brasil, mas em vários outros países que adotam práticas sintonizadas com a lógica neoliberal: a instituição de saberes de natureza econômica por meio da escola pública. De modo geral, as propostas que visam a instituição destes saberes por meio de práticas curriculares e extracurriculares cresceram no período pós-crise econômica de 2008, um dos principais problemas enfrentados pelo mundo contemporâneo, cujos efeitos devastadores ainda percebemos até os dias atuais. Tais saberes e práticas, dentre os quais estão a educação financeira e o empreendedorismo, denotam características de uma técnica de governamentalidade que visa justamente constituir sujeitos e produzir modos de vida harmonizados com a racionalidade neoliberal.

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Governamentalidade; Discurso; Currículo; Saber econômico.

Baixar texto completo

PDF_ico.png