EDUCAÇÃO INCLUSIVA E O DEFICIENTE INTELECTUAL

Cristina Garibaldi de Matos

À luz de pesquisas literárias que permitem uma avaliação crítica do tema em questão, observa-se ser a inclusão de pessoas com deficiência intelectual no ambiente escolar uma tarefa que exige muito empenho por parte de todos os seguimentos sociais. Entretanto, ao longo do desenvolvimento do trabalho em observou-se também que apesar de desafiante é possível, pois a partir das exigências legais e o empenho das instituições em ressignificar sua postura e sua atuação, é muito mais que possível: é gratificante. Considera-se que esses alunos se forem adequadamente trabalhados podem apresentar resultados significativos em seu desenvolvimento cognitivo, social e emocional, o que lhes proporcionam autonomia, autoconfiança e consequente elevação da autoestima. Considera-se, ainda pela análise dos conceitos pragmáticos dos filósofos e dos princípios legais que normatizam a educação inclusiva que os resultados apontam para uma transformação positiva que envolve a formação de valores e atitudes como solidariedade, cooperação, respeito, o que contribui para uma sociedade mais justa e menos preconceituosa, além de desmistificar o estereótipo de aluno idealizado a partir de requisitos pré-concebidos.Neste contexto o artigo apresenta considerações sobre a educação inclusiva e o deficiente intelectual

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Inclusão; Deficiente Intelectual; Educação Inclusiva.

Baixar texto completo

PDF_ico.png