AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

Roberta Cardoso Garrido Domingues

Este artigo foi realizado a partir de uma pesquisa bibliográfica de material de educação infantil, construído na Rede Municipal de Educação de São Paulo (RME-SP), no período de 2008 a 2016. O estudo inicia-se com um breve histórico sobre o início da formação “A rede em rede” em 2006, que culminou na escrita e edição do documento “Orientador Curricular” em 2008. Destas diretrizes, a autora se atêm, principalmente, as orientações e expectativas de aprendizagem voltadas ao campo de experiência da linguagem verbal (oral e escrita) que coaduna com o tema do trabalho em questão. Em seguida, mostra como com o avanço na formação de professores traz reflexos na prática docente, fazendo uma retomada de três dos “Cadernos da Rede em Rede”, que mais se aproximam das práticas de leitura e escrita na educação infantil. Neste contexto, traz para discussão o “Projeto Entorno: em busca de novos leitores”, que trata-se de uma parceria entre a Editora Abril e a Secretaria Municipal de Educação SME), para fomentar a leitura e despertar o prazer por esta, nas escolas da RME. Dando continuidade, faz-se uma síntese de outros documentos construídos entre os anos de 2013 a 2016 e que avançam as discussões em relação as crianças como sujeitos de direitos. Considera-se que com uma formação continuada voltada à reflexão sobre a prática e tendo os professores como protagonistas da práxis, a rede municipal de ensino de São Paulo tem construído documentos que realmente norteiam o planejamento de vivências e experiências prazerosas com práticas sociais de leitura e escrita para as crianças da educação infantil.

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Práticas sociais de leitura e escrita; Educação Infantil; Rede Municipal de Educação de São Paulo; Currículo.

Baixar texto completo

PDF_ico.png