O ALMIRANTE NEGRO: UM SONHO DE LIBERDADE

Narapoam Soares de Souza

O presente trabalho se propõe a analisar a situação política e social do Brasil principalmente no Rio de Janeiro no início da República período conhecido Belle Époque, no Século XIX, em pleno Pré-Modernismo, momentos em que havia muitos problemas na sociedade e a política apresenta um cenário de contradições, pois a elite detém privilégios, mas os pobres sofriam opressões e sonhavam com liberdade. Delimita como foco temático a Revolta da Chibata (1910), em que João Cândido Felisberto, o Almirante Negro, realizou junto com marinheiros nos navios da Marinha de Guerra. Tal revolta se iniciou como reação os tratamentos hostis e castigos dados aos marujos negros. O movimento não obteve o resultado esperado, pois o governo se contrapôs. Decretou Estado de Sítio e uma perseguição em massa, na qual pessoas inocentes foram perseguidas, deportados para a Ilha das Cobras e por fim no hospital dos alienados. Este trabalho elege como base os pressupostos teóricos formulados por Barreto (2007), Cheuiche (2010), Lopes (2000), Saavedra (2003), Severino (2007), Tristesa (1989), dentre outros. Ainda apresenta como modalidade instrumental teórico metodológico características da pesquisa qualitativa de caráter descritivo, analítico-interpretativo, a fim de resgatar e compreender o panorama sócio, histórico cultural que envolve o tema em estudo, que foi apenas um de muitos levantes e revoltas na história do Brasil.

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Perseguição; Opressão; Revolta; Ideal; Liberdade.

Baixar texto completo

PDF_ico.png