O SINAL E SEUS PARÂMETROS NA ATUAÇÃO DO
INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS

Lucinaide Aparecida Oliveira Viana

O presente artigo: “O sinal e seus parâmetros na atuação do Intérprete de Língua de Sinais”, tem como objetivo discutir a gramática de Língua de Sinais, apresentando suas características enquanto língua legitimada e oficializada no Brasil, assim como sua utilização por profissionais intérpretes em LIBRAS e sua relevância para os surdos como forma de interação e comunicação. Atribui-se à Língua de Sinais o status de língua por ter estruturas gramaticais próprias e também ser composta pelos níveis linguísticos: o fonológico, o morfológico, o sintático e o semântico. O que é denominado de palavra ou item lexical nas línguas oralauditivas são denominados sinais na língua de sinais. Como toda língua, a Língua de Sinais aumenta seu vocabulário com novos sinais introduzidos pelas Comunidades Surdas em resposta às mudanças culturais e tecnológicas. Os sinais têm parâmetros ao serem articulados e no decorrer desta pesquisa foi abordado: Quais são estes parâmetros? Como são articulados os sinais? E como o intérprete atua na articulação destes sinais? A metodologia empregada valeu-se de pesquisa bibliográficas. E satisfatoriamente, por meio das pesquisas concorda-se que a LIBRAS é uma língua como qualquer outro idioma. E que para ser aprendida é necessário conhecer os seus parâmetros e ter contato com a comunidade surda para o desenvolvimento da sua fluência.

RESUMO:

Língua de sinais; Intérprete; Gramática.

Palavras-Chave: 

Baixar texto completo

PDF_ico.png