REFUGIADOS E IMIGRANTES NA EDUCAÇÃO NO BRASIL

Marilda José Coelho

A chegada cada vez maior de refugiados e imigrantes ao Brasil, especialmente ao município de São Paulo, pode ser considerada consequência do novo cenário mundial que se mostra alheio frente às necessidades humanas atuais. De janeiro de 2017 até maio de 2019, segundo a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), cerca de 4.600 imigrantes foram acolhidos na rede formada por quatro Centros de Acolhida (CA’s) para atendimento específico de imigrantes na capital. Diante desse cenário, os profissionais da educação lidam em seu cotidiano com uma série de questões que dialogam com as relações entre nativos da cidade, refugiados, imigrantes e migrantes, principalmente devido ao aumento significativo de matrículas de alunos estrangeiros na Rede Municipal e estadual de Ensino nos últimos anos. Em 2019, cerca de 5300 crianças de diversas nacionalidades estudaram na Rede Municipal de Ensino da capital. Entre os grandes desafios da Rede está a proposição de práticas educativas, alinhadas à educação multicultural, que combatam a xenofobia, o preconceito e a discriminação, tornando o ambiente escolar mais inclusivo, respeitoso e produtivo para a aprendizagem de todos os estudantes.

RESUMO:

Palavras-Chave: 

Refugiados; Imigrantes; Educação.

Baixar texto completo

PDF_ico.png